Estudo de viabilidade do Parque Tecnológico será apresentado ao MCTIC

05/09/2019 18:00



A assessora especial para o Parque Científico e Tecnológico Augusto Severo (PAX), Ângela Maria Paiva Cruz, o diretor da Agência de Inovação (AGIR), Daniel Pontes, junto ao professor Jesus Leodaly Salazar Aramayo, apresentaram na manhã desta quarta-feira, 04, ao reitor da UFRN, José Daniel Diniz Melo, o Estudo de Viabilidade Técnica e Econômica (EVTE) do PAX.

Durante a explanação, o professor Jesus Salazar pontuou, dentre outros aspectos, situações relativas aos investimentos e custos. Ele explicou que a análise da proposta leva em consideração o amadurecimento gradual do Parque como ecossistema de inovação, e o plano estratégico trabalha com três fases de expansão. “Temos uma projeção, até certo ponto conservadora, de que em dez anos o PAX apresente uma autonomia no que tange a sua viabilidade de funcionamento condizente com variáveis do Banco Mundial, por exemplo”, colocou o docente do Departamento de Engenharia de Produção. O projeto para implantação do Parque prevê espaços customizados para empresas incubadas, aceleradoras e associadas, o que leva em consideração os tamanhos delas. Ao todo, o espaço de 50 hectares prevê a oferta de 118 lotes dispostos em 11 quadras.

A exposição feita na sala de reuniões da Reitoria será objeto de reunião no Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) na tarde desta quinta-feira, 5, em Brasília, na qual estarão presentes Sônia Costa, coordenadora-geral de Tecnologias e Programas de Desenvolvimento Sustentável e Sociais, e Cristiane Gonçalves Côrrea, chefe da Assessoria Especial de Assuntos Institucionais. O reitor da UFRN ratificou que o momento será “a oportunidade de mostrar que o projeto é viável e tem premissas consistentes para a operacionalização”. 

No mês de agosto, o espaço que abrigará o PAX recebeu a visita do ministro do MCTIC, Marcos Pontes, momento no qual ele citou o plano do Ministério de instalar centros de referência em tecnologia assistida. Na época, o ministro colocou que os centros são fruto de modelos como os de centros de inovação, parques tecnológicos e incubadoras, estruturados de forma que possam funcionar de acordo com a realidade de cada região, como é o caso do PAX.

Parque de Ciência e Tecnologia Augusto Severo (PAX)

Localizado na cidade de Macaíba/RN, o Parque Científico e Tecnológico Augusto Severo (PAX) está inserido em um ambiente de inovação proveniente da parceria entre Instituições Científicas, Tecnológicas  e de Inovação (ICTs), Governo do Estado do Rio Grande do Norte, Federação das Indústrias, Federação do Comércio, Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas e prefeituras da Região Metropolitana de Natal.

O PAX tem vocação inicial nas áreas de energias, reabilitação em saúde e tecnologia de informação com ampla oferta de espaços e serviços para as entidades apoiadoras e empresas. O Parque Científico e Tecnológico Augusto Severo contará também, em seu ecossistema, com incubadora e aceleradora de empresas, oferta de serviços de propriedade intelectual através da Agência de Inovação da UFRN e de diversos laboratórios de  pesquisa e inovação das ICTs associadas.

Ambiente de empreendedorismo adequado e propício para a cooperação entre academia e setor produtivo no desenvolvimento de soluções inovadoras, o PAX será uma associação sem fins lucrativos, cujas receitas serão investidas no incremento e qualificação de sua estrutura e atividades.


   
   







UNILA de Foz de Iguaçu abre consulta pública para credenciar fundações de apoio

05/09/2019 16:30


O Ministério da Educação (MEC) disponibilizou, no portal do órgão, as informações sobre a autorização e o credenciamento das Fundações de Apoio às universidades federais e institutos de pesquisa. São dados relacionados à legislação vigente, ao manual e lista de documentos necessários ao pedido de autorização ou credenciamento das Fundações de Apoio, além de calendário e atas de reunião entre a Secretaria de Educação Superior do MEC (SESu/MEC) e a Secretaria de Políticas para Formação e Ações Estratégicas do Ministério de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (SEFAE/MCTIC).

O aviso foi encaminhado aos dirigentes das universidades federais e ao CONFIES. O presidente do CONFIES, Fernando Peregrino orienta que todas as Fundações de Apoio analisem se as informações que constam do site do MEC estão todas corretas. As informações estão disponíveis em: http://portal.mec.gov.br/sesu-secretaria-de-educacao-superior/fundacoes-de-apoio-sesu .

As Fundações de Apoio – elos estratégicos para alavancar recursos públicos e privados para ciência brasileira –, estão sujeitas ao prévio credenciamento por ato conjunto do MEC e do MCTIC nos termos do art. 2º, III, da Lei nº 8.958/1994.

Consolidadas e com mais de 25 anos de vida, as Fundações de Apoio movimentam mais de R$ 5 bilhões por ano e gerenciam cerca de 22 mil projetos científicos em todo País.

Fonte: Confies.


   
   







MEC disponibiliza informações para atualização de dados das Fundações de Apoio

05/09/2019 14:30


O Ministério da Educação (MEC) disponibilizou, no portal do órgão, as informações sobre a autorização e o credenciamento das Fundações de Apoio às universidades federais e institutos de pesquisa. São dados relacionados à legislação vigente, ao manual e lista de documentos necessários ao pedido de autorização ou credenciamento das Fundações de Apoio, além de calendário e atas de reunião entre a Secretaria de Educação Superior do MEC (SESu/MEC) e a Secretaria de Políticas para Formação e Ações Estratégicas do Ministério de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (SEFAE/MCTIC).

O aviso foi encaminhado aos dirigentes das universidades federais e ao CONFIES. O presidente do CONFIES, Fernando Peregrino orienta que todas as Fundações de Apoio analisem se as informações que constam do site do MEC estão todas corretas. As informações estão disponíveis em: http://portal.mec.gov.br/sesu-secretaria-de-educacao-superior/fundacoes-de-apoio-sesu .

As Fundações de Apoio – elos estratégicos para alavancar recursos públicos e privados para ciência brasileira –, estão sujeitas ao prévio credenciamento por ato conjunto do MEC e do MCTIC nos termos do art. 2º, III, da Lei nº 8.958/1994.

Consolidadas e com mais de 25 anos de vida, as Fundações de Apoio movimentam mais de R$ 5 bilhões por ano e gerenciam cerca de 22 mil projetos científicos em todo País.

Fonte: Confies.


   
   







Grupo de Dança apresenta espetáculo (Des)Caminhos na EMUFRN

05/09/2019 12:00


O Grupo de Dança da UFRN (GDUFRN) realiza, no dia 21 de setembro, a apresentação do espetáculo (Des)Caminhos, às 19h, no auditório Onofre Lopes da Escola de Música (EMUFRN). Os ingressos podem ser adquiridos antecipadamente, ao preço promocional de R$ 10, com o elenco do Grupo, nas terças, quintas e sextas-feiras, das 16h30 às 18h, na sala 01 do Departamento de Artes da UFRN (Deart). Alguns ingressos estarão disponíveis no dia do espetáculo, na EMUFRN, uma hora antes da apresentação, no valor de R$ 10 (meia) e R$ 20 (inteira).

O espetáculo é inspirado na obra do escritor Mário de Andrade – O Turista Aprendiz (1976). O livro se baseia em viagens que o autor fez no período entre 1927 a 1929, que inclui passagem pelos estados de Alagoas, Pernambuco, Rio Grande do Norte e Paraíba.

Nestes estados nordestinos, ele se concentrou em pesquisar a cultura popular. No RN, registrou no livro o encontro com o mestre de coco Chico Antônio e se encantou com o artista potiguar. Na apresentação do GDUFRN, além dessa viagem de Mário de Andrade aos estados do Nordeste, o espetáculo é articulado ainda com narrativas dos bailarinos do grupo, envolvendo dança, teatro, música, poesia, vídeo-arte e exposição de artes visuais.

A montagem tem a concepção e direção geral e artística de Teodora Alves, diretora do Núcleo de Arte e Cultura (NAC), assistência de direção de Lisiane Miranda e Samara Salgueiro, e tem composição cenográfica e pesquisa de Teodora Alves e do GDUFRN.

“A narrativa do espetáculo é bem interessante, pois se inspira na obra de Mário de Andrade, abordando os caminhos e descaminhos percorridos/encontrados pelo escritor ao visitar o RN nos anos de 1928 e 1929”, ressalta Teodora Alves. Segundo ela, o espetáculo é instruído também com aspectos das histórias vividas pelo próprio elenco, nos caminhos trilhados pelo RN e como “turista” nos Estados Unidos, ao participar de um intercâmbio cultural em 1987.

O Grupo de Dança da UFRN é um projeto de extensão permanente da UFRN e está em atividade desde 1992. Com uma história de produção criativa e educativa no campo da Dança, o Grupo vem se configurando como um espaço de aprendizado, pesquisa e divulgação no RN. Com a criação da Licenciatura em Dança, o GDUFRN tem possibilitado aos alunos desse curso uma formação significativa, somada às demais ações curriculares.

Fonte: Agecom/UFRN.


   
   







LAIS firma acordo de cooperação com a Universidade Autônoma de Barcelona

05/09/2019 10:37

Ascom/Lais

O Laboratório de Inovação Tecnológica em Saúde da UFRN (LAIS) assinou nesta quarta-feira, 4, dois acordos de cooperação internacional técnico-científicos com a Universidade Autônoma de Barcelona (UAB), na Espanha. As ações visam desenvolver atividades de pesquisa e extensão na área do audiovisual, aplicadas à indução de políticas de resposta rápida à sífilis. 

Os acordos foram estabelecidos através de dois grupos de pesquisa vinculados a UAB. O Observatorio y Grupo de Investigación en Migración y Comunicación (MIGRACOM) trabalha com pesquisas na área da comunicação, com ênfase em publicidade, jornalismo e produção audiovisual. Já o Grup de Recerca en Antropologia Fonamental i Orientada (GRAFO), trabalha com questões relacionadas a antropologia na saúde. 

Segundo Juciano Lacerda, pesquisador do LAIS e professor do Departamento de Comunicação Social da UFRN, a parceria é importante pois permite a cooperação com grupos de pesquisa referência na Espanha. 

“Esses acordos nos dão a oportunidade de um trabalho de cooperação com dois grupos de pesquisa que são referência em Barcelona, com expertise de trabalho na Espanha e em países da África, sobretudo no que diz respeito a metodologias de pesquisa e processos de intervenção com populações de vulnerabilidade. No que diz respeito a comunicação, há conhecimentos importantes em produção audiovisual e análises qualitativas de representação de diversidades culturais, e também com populações em situação de vulnerabilidade, sendo essas habilidades importantes para implementarmos nas ações que desenvolvemos no LAIS em educomunicação e publicidade”, afirmou ele. 

Parcerias na Espanha

Além do acordo firmado com a Universidade de Barcelona, o LAIS já desenvolve ações conjuntas com a Universidade Complutense de Madri, na capital espanhola. O termo foi assinado no final de maio deste ano. 

A parceria prevê o intercâmbio de profissionais entre as instituições, bem como o desenvolvimento de pesquisas conjuntas nas áreas de comunicação, educomunicação e saúde pública.

Fonte: Ascom/Lais.


   
   










V ENNFAIES





Destaque das Colunas


A Importância da Ciência e Tecnologia para um País

16/12/2019 11:06 por André Maitelli





Redes Sociais