Professora da UFRN assume editoria de revista da ABEM

23/10/2020 08:57


A professora Rosiane Viana Zuza Diniz, do Departamento de Medicina Clínica da UFRN, é a nova editora-chefe da Revista Brasileira de Educação Médica (RBEM).  O periódico é o único dedicado ao tema regularmente publicado na América Latina. A publicação é realizada pela Associação Brasileira de Educação Médica (ABEM). 

Rosiane Diniz é formada em medicina pela UFRN e atua no Programa de Pós-Graduação em Ensino na Saúde do Hospital Universitário Onofre Lopes (HUOL). Ela já atuou no periódico nas funções de revisora e editora associada. 

A RBEM tem contribuição fundamental nas políticas públicas de educação e saúde e valoriza as pesquisas publicadas por ter qualificação Qualis A1 na área de ensino na saúde. Trata-se de um grande repositório de conteúdos relacionados ao ensino médico, sendo referência na educação médica, subsidiando educandos, educadores, formadores de políticas educacionais e profissionais médicos no desempenho de suas atividades.

Fonte: Agecom UFRN.


   
   







UFRN apresenta proposta de Cidade Inteligente a candidatos

23/10/2020 08:56



Coletar dados sobre as atividades locais e otimizar o aproveitamento de recursos no ambiente usando tecnologia para melhorar a qualidade de vida local. Esse conceito de cidades inteligentes (smart cities) embasa o documento Natal Cidade Inteligente – Prefeitura Aberta e Cidadão Participante, que será apresentado no dia 29 de outubro, às 14h30, no Hotel Escola Senac Barreira Roxa, aos candidatos à Prefeitura de Natal. O material é assinado pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), Federação das Indústrias do Estado (Fiern), Federação do Comércio de Bens Serviços e Turismo (Fecomércio/RN) e Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae/RN). 

As smart cities usam grandes bancos de dados para planejar o espaço urbano e permitir um melhor gerenciamento dos recursos disponíveis pelos gestores. O documento, elaborado em parceria, aponta 11 áreas essenciais para o desenvolvimento social e econômico da cidade, estimulando a inteligência municipal por meio do investimento, uso e absorção cultural de tecnologias. Desde a saúde pública passando pela economia, educação, empreendedorismo, energia, governança, meio ambiente, mobilidade, segurança até tecnologia e urbanismo.

As adversidades trazidas pelo ano de 2020 — através de um fato inesperado: a pandemia da Covid-19 — e novas dificuldades que poderão surgir, oportunizam novos modelos de gestão. “O uso da TI na gestão de estados e municípios pode trazer enormes benefícios no enfrentamento de tais desafios”, destaca o diretor do IMD, Ivonildo Rego. “O conceito de Cidades Inteligentes torna-se fundamental para o debate público nesse momento, de modo a se pensar em políticas públicas urbanas que estejam de acordo com os desafios trazidos pelo século 21, e que empreguem de maneira consistente as ferramentas cujo desenvolvimento é oportunizado por nossa época”, enfatiza.

Para a Federação das Indústrias do Rio Grande do Norte, a adoção de uma gestão baseada em dados é um estímulo a implantação e migração para a Indústria 4.0. “As cidades inteligentes são pioneiras na implantação da indústria 4.0, pois há uma cultura de fomento ao empreendedorismo, à conectividade, à inovação. Além de permitir a adoção de novas medidas de gestão baseada em dados e também participação mais ativa da sociedade civil”, destaca o presidente da FIERN, Amaro Sales.

Ele destacou ainda que o modelo pode ser expandido para as demais prefeituras do estado. “A adoção de medidas que estimulem o uso de energias renováveis, como a eólica e a fotovoltaica, também é uma forma de estimular a vinda de mais empresas e investimentos deste setor aqui”, explica.

Com um histórico de parceria com o IMD e o estado alemão da Renânia-Palatinado no projeto RN Inteligente — para uso da tecnologia como apoio à gestão estratégica há mais de uma década —, a Fecomércio ressalta a importância da parceria entre as entidades e o compromisso dos futuros gestores para a viabilidade da proposta Natal Cidade Inteligente.

Natal ainda tem no comércio, nos serviços e no turismo seus principais pilares econômicos (os segmentos respondem mais de 70% do PIB da capital). Por isso, o presidente da Federação do Comércio do Estado (Fecomércio RN), Marcelo Queiroz, destaca o quanto essas atividades podem ser beneficiadas com um modelo moderno de gestão. 

“Recebemos com muita satisfação o convite do IMD para colaborar com esta iniciativa, na qual temos reconhecido know-how, sobretudo em virtude de nossas parcerias com a Alemanha. Podemos e vamos contribuir fornecendo estudos e projetos que possam potencializar investimentos. O compromisso dos futuros gestores com este modelo é crucial porque ele tem um enorme potencial para alavancar a nossa economia e trazer, a reboque, o tão desejado desenvolvimento social”, afirma o presidente do Sistema Fecomércio RN, Marcelo Queiroz.

Entre os pontos citados na proposta encaminhada aos candidatos à Prefeitura de Natal, está o uso de tecnologia para integração de dados e o incentivo à implantação de empresas da área de economia criativa, além de parques tecnológicos e incubadoras. Para o diretor superintendente do Sebrae-RN, José Ferreira de Melo Neto, a adoção de um modelo de Cidade Inteligente é uma iniciativa que certamente vai gerar desenvolvimento econômico e social de forma sustentável, tendo como aliados os próprios cidadãos.

Além da apresentação do documento, será realizada uma live técnica aberta ao público no dia 29 de outubro, às 19h, no canal do IMD no YouTube, com retransmissão nos perfis das instituições parceiras. Participam da live o coordenador de Programas e Projetos Institucionais do Senac RN, Marcelo Milito, que atuará como mediador; o coordenador do Smart Metropolis, Frederico Lopes; o presidente do Sinduscon RN, Sílvio Bezerra; e a professora do Departamento de Geografia (DGE/UFRN), Jane Roberta de Assis Barbosa.

Fonte: IMD e FIERN.


 


   
   







Planejamento do PAX é tema de reuniões com consultor internacional

23/10/2020 08:53


Uma série de reuniões com o consultor Robert Hodgson marcou mais uma etapa do planejamento de gestão do Parque Científico e Tecnológico Augusto Severo (PAX). Entre os dias 13 e 20 de outubro, empresários, pesquisadores, secretários estaduais e municipais, bem como gestores de diversas instituições privadas e públicas, participaram de seis momentos on-line, ocasiões nas quais foi apresentado um panorama do ecossistema de inovação do RN e, complementarmente, aspectos do projeto de implantação do PAX.

“Foram momentos que colocaram em avaliação o projeto de implantação do Parque sob várias perspectivas, desde o setor governamental até o setor produtivo, passando pela academia. Interessante para nós é que, além das excelentes contribuições para aperfeiçoamento do projeto, o consultor, referência em implantação de parques tecnológicos, ressaltou  aspectos muito positivos sobre as potencialidades do RN e da competência em pesquisa e inovação das universidades e institutos que estarão no PAX”, pontuou a assessora especial para o Parque na UFRN, Ângela Maria Paiva Cruz.

Ressaltando que o Parque Augusto Severo é uma ferramenta objetiva de garantir a inovação no âmbito do estado do Rio Grande do Norte, Jaime Calado, secretário de Desenvolvimento Econômico do RN, avaliou que as reuniões do consultor com cada setor que forma o Parque foram relevantes e, sobretudo, produtivas.

“A junção de empresas, governo, academia e comunidade em uma só instituição impõe uma complexidade ao Parque que requer uma governança inovadora. Embora complexa, como o próprio consultor ressaltou, ao mesmo tempo possibilita a participação de vários entes, coordenados pela UFRN e Governo do RN, situação que evidencia-se como um esforço grande no sentido de integrar e aproximar a pesquisa das empresas, fazer a pesquisa aplicada e garantir com isso a inovação, pois empresa que inova não quebra. Todo esforço que o governo do RN faz é nesse sentido, de aproximar e integrar”, afirmou o secretário.

O Parque Científico e Tecnológico Augusto Severo funcionará na cidade de Macaíba, na Região Metropolitana de Natal, em um espaço de 50 hectares dividido em 76 lotes, local no qual já está edificado um espaço com 15 mil metros quadrados de área construída, com salas de diferentes tamanhos para várias necessidades, como para empresas startups ou spin-offs.

O projeto de implantação do Parque prevê também ambientes customizados para empresas incubadas, aceleradoras e associadas, o que leva em consideração os tamanhos delas para a ocupação. A ideia é que o Parque Científico e Tecnológico esteja voltado, inicialmente, para as áreas de Energias, Reabilitação em Saúde e Indústria 4.0.

Fonte: Ascom PAX.


   
   







Mostra da SBPC encerra inscrições nesta sexta-feira, 23

23/10/2020 08:52


Os interessados em participar da Mostra As Ciências e a Pandemia de Covid-19 têm até esta sexta-feira, 23, para enviar suas produções. A atividade tem por objetivo estimular e ajudar a promover e difundir as iniciativas audiovisuais de divulgação e conscientização sobre a pandemia de coronavírus no Brasil. Lançada pela SBPC no dia 5 de setembro, a mostra é parte da versão virtual e estendida da 72ª Reunião Anual da SBPC, que será realizada até dezembro de 2020, em parceria com a Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

A ideia surgiu depois que a SBPC testemunhou esforços da comunidade científica, instituições e organizações da sociedade civil para informar o grande público sobre o que é o novo coronavírus. Muitas dessas iniciativas buscam também esclarecer dúvidas e informações equivocadas, ou fake news, além de apresentar os procedimentos científicos nas ações de enfrentamento do novo coronavírus.

Grande parte desses trabalhos foram feitos em formato de vídeos, compartilhados nos mais diversos canais pelas redes sociais e por grupos de pesquisa e instituições diversas, constituindo-se em um conjunto significativo de iniciativas de divulgação científica. Por isso, o objetivo dessa mostra é chamar a atenção para a importância de tais iniciativas, colaborar com a divulgação delas e destacar seus realizadores. 

Instituições de ensino e pesquisa, universidades, entidades, grupos de pesquisa e escolas de todo o país estão convidados a participar enviando até dois vídeos para cada uma das categorias – Drops (de até 1 minuto), curta-metragem (de até 10 minutos) e média-metragem (de 10 a 20 minutos). Os interessados podem se inscrever até o dia 23 de outubro ou até o número de inscritos atingir o limite total de 300 vídeos.

Os vídeos inscritos passarão por uma curadoria inicial, indicada pela SBPC, e os selecionados serão publicados em uma playlist no Canal da SBPC no YouTube (youtube.com/canalsbpc), para votação do público e do júri selecionado pela SBPC, em novembro.

Os nove vídeos mais votados pelo público e os três selecionados pelo júri serão divulgados pelos canais da SBPC no dia 25 de novembro. Já os vencedores participarão de sessões de apresentação e bate-papo na semana que encerra a 72ª Reunião Anual da SBPC, entre os dias 1 e 5 de dezembro. Veja neste link o regulamento.

Fonte: Comunicação SBPC.


   
   







Segundo ciclo da Semana do Cérebro acontece na segunda, 26

23/10/2020 08:50


A Semana do Cérebro, organizada no Rio Grande do Norte pelo Instituto do Cérebro (ICe/UFRN), está ocorrendo desde o dia 19 de outubro de forma totalmente on-line. Com o tema Mulheres na neurociência: singulares e altamente conectadas e uma programação recheada, o evento dá início, segunda-feira, 26, à segunda e última semana. A transmissão das palestras, desta vez, acontecerá por meio do canal do Centro Estadual de Educação Profissional Professora Lourdinha Guerra.

Este segundo ciclo da versão norte-rio-grandense do evento é sempre dedicado a ações para além dos muros da UFRN, trocando o conhecimento científico com comunidades fora do ambiente universitário. “Já fizemos palestras dentro de um assentamento do MST na zona norte de Natal e, em parceria com o Instituto Santos Dumont, também fomos a uma comunidade quilombola de Macaíba. Mais de uma vez, fomos a uma biblioteca pública no bairro das Rocas, em Natal, onde as escolas puderam levar seus alunos”, conta Fernanda Palhano, coordenadora desse ciclo da Semana do Cérebro, junto com Eduardo Sequerra. 

Em 2020, a parceria para o formato virtual foi realizada com o Centro Estadual de Educação Profissional (CEEP) Professora Lourdinha Guerra, localizado em Parnamirim/RN. A colaboração surgiu graças ao neurocientista, ex-pesquisador do ICe/UFRN e atual professor do CEEP, Raphael Bender, que facilitou a organização da ação.

“Quando eu estava no ICe, já participava ativamente da Semana do Cérebro e achava incrível a possibilidade de levar ciência além dos limites da universidade. Trazer a Semana do Cérebro para a escola é fantástico, porque possibilita que estudantes do ensino médio possam conhecer um pouco do que está sendo produzido na universidade, algo que está a alguns poucos meses de distância para esses estudantes, mas muitos deles não fazem ideia do que vão encontrar por lá”, afirma Raphael. 

Além de cooperar com a ação, o neurocientista também vai apresentar uma palestra durante a Semana do Cérebro. A conversa Estudar música pode te deixar mais inteligente? vai acontecer na terça-feira, 27, às 15h, e abordará a importância dos estímulos ambientais para o desenvolvimento das mais diversas habilidades cognitivas. De acordo com Raphael, estudar música envolve um conjunto de treinamentos, como o treino de habilidades perceptuais, o desenvolvimento da integração sensório-motora e o estabelecimento de relações sociais relacionadas à prática em grupo.

Totalmente aberto ao público, o segundo ciclo da Semana do Cérebro vai contar ainda com a participação de diversos pesquisadores do ICe/UFRN, assim como cientistas do Instituto Santos Dumont, da Universidade de Oxford e do Coletivo Maria Emília. Entre os temas, serão discutidos os estímulos cerebrais, memória, fala, saúde mental, drogas e a questão de gênero na ciência.

Confira a programação completa:

Segunda-feira – 26/10

14h30 – Sérgio Neuenschwander (ICe) – E se um porco falasse? Fronteiras da Neurociência

15h00 – Lucas Galdino (ICe) – Ilusões visuais

15h30 – Geissy Araújo (ICe) – Reduzindo a ansiedade através da respiração


Terça-feira – 27/10

14h30 – Felipe Brum (ICe) – O cérebro plástico

15h00 – Eduardo Sequerra (ICe) – Quando o embrião vira uma pessoa? 

15h30 – Dráulio Araújo (ICe) – Drogas


Quarta-feira – 28/10

14h30 – Carolina Gonzalez (Instituto Santos Dumont) – Onde e como se guardam nossas memórias?

15h00 – Claudio Queiroz (ICe) – Os limites de nossa memória: construindo curvas de lembrança e de esquecimento


Quinta-feira – 29/10

14h30 – Daniel Takahashi (ICe) – Os animais falam?

15h00 – Raphael Bender (CEEP) – Estudar música pode te deixar mais inteligente?

15h30 – Vítor Lopes (Universidade de Oxford) – Como medimos o que o cérebro está fazendo?


Sexta-feira – 30/10

14h30 – Heloysa Araújo (Coletivo Maria Emília) – Viés de gênero na ciência – existe cérebro feminino e masculino?

15h00 – Marina Ribeiro (ICe) – O que uma menina pode ser quando crescer?: viés de gênero na infância

15h30 – Kia Leão (ICe) – Como virar uma cientista? Escolhas e estratégias

Fonte: Sala da Ciência UFRN.


   
   










Matéria Veiculada na TV Câmara sobre os 40 anos da FUNPEC





Destaque das Colunas


O apoio da FUNPEC para novos pesquisadores

13/03/2020 08:05 por André Maitelli





Redes Sociais