Covid-19 já alcançou 85% dos municípios potiguares

02/06/2020 15:17



Levantamento do projeto Dinâmicas ambientais, risco e ordenamento do território (Georisco/UFRN) observou que, até o dia 29 de maio, apenas 26 dos 167 municípios do Rio Grande do Norte não registram casos de pacientes com Covid-19. As regiões metropolitana (60%) e Oeste (31%) são as que registram maior número de confirmações e óbitos com maiores incidências registradas em Natal, Mossoró e Parnamirim.

Dos municípios com menos de 100 mil habitantes, Apodi é o que aparece em pior situação, provavelmente porque tem testado mais, graças à parceria realizada com o Instituto de Medicina Tropical (IMT/UFRN). De acordo com o Mapa da situação da covid-19 no RN, houve um crescimento de 70% no número de confirmações da doença entre os dias 21 e 29 de maio, o que reforça a necessidade de medidas de segurança em relação à disseminação da doença que continua crescendo.

Em relação à incidência de óbito, foi registrado um aumento de 69% no mesmo período, sendo os municípios de Natal, Mossoró, Areia Branca, São Gonçalo do Amarante e Parnamirim os que tiveram mais casos, exatamente nessa ordem. A região metropolitana, no leste do estado, tem 57% das ocorrências, seguida pela região Oeste, com 37% dos casos. No que diz respeito ao número de recuperados, os municípios com melhores resultados são Natal, Mossoró, Parnamirim, Apodi e Areia Branca, também nessa ordem.  

Chama atenção ainda o trabalho realizado pelo Laboratório de Geoprocessamento e Geografia Física (LAGGEF/UFRN) para a curva de crescimento no número de casos da Covid-19 em Caicó, na região Seridó do estado. Apesar de aparecer em último entre os que têm maior incidência da doença, foi observado um crescimento acima da dos municípios de Natal e Mossoró, o que serve de alerta para as autoridades em relação aos cuidados com o isolamento e medidas de proteção junto à população.

De acordo com o professor Lutiane Queiroz de Almeida, coordenador do Georisco/UFRN, tanto no RN quanto em outros estados do Nordeste que também decidiram reduzir o isolamento, é esperado que o número de casos e de óbitos aumentem. “Na Itália, alguns governos locais também relaxaram o isolamento e ocorreu o que se chama de rebote, um novo boom de crescimento de casos e óbitos. Pelo menos na Região Metropolitana de Natal e Mossoró, que são os epicentros dos casos, acho que os governos locais e estadual deveriam decretar isolamento social restrito pelo menos por 15 dias”, orienta o professor. 

Fonte: Agecom/UFRN.


   
   







Portaria da UFRN suspende prazos de validade de concursos públicos

02/06/2020 15:15


Os prazos de validade de concursos públicos homologados até 20 de março deste ano, pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte, foram suspensos. A Portaria Nº 678-R, do dia 28 de maio, foi publicada no Diário Oficial da União (DOU) nesta segunda-feira, 1º de junho. Com a medida, as validades dos concursos já homologados até a data da publicação do Decreto Legislativo nº 6, de 20 de março de 2020, que instituiu o estado de calamidade pública no país, ficam paralisadas. 

De acordo com a pró-reitora de Gestão de Pessoas da UFRN, Mirian Dantas dos Santos, a portaria é muito importante para a Instituição, pois dá mais segurança nesse momento da pandemia. “Muitas pessoas que estão para assumir os concursos realizados pela UFRN não residem no Estado e não teriam como se deslocar. Não é interessante fazer essas nomeações agora numa situação de isolamento e também sem definição de calendário acadêmico”, ressalta. Mirian destaca que a perda de prazo de um edital de concurso é um prejuízo muito grande para quem participa das seleções e para a Instituição. 

A portaria segue a orientação da Lei Complementar Nº 173, de 27 de maio de 2020, que estabelece o Programa Federativo de Enfrentamento ao Coronavírus SARS-CoV-2 (Covid-19), cujo artigo 10 suspende os prazos de validade dos concursos públicos já homologados em todo território nacional até a revogação do decreto de calamidade.

Os prazos suspensos dos editais voltam a correr a partir do término do período de calamidade pública. Na UFRN, a medida contemplou 11 editais que abrangem seleções para técnicos administrativos e professores.

Fonte: Agecom/UFRN.


   
   







PET-Saúde: Inscrições para tutores voluntários encerram quinta-feira

02/06/2020 15:14


O Laboratório de Inovação Tecnológica em Saúde (LAIS) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), está com inscrições abertas para a seleção de pesquisador para o Projeto Pesquisa Aplicada para Integração Inteligente Orientada ao Fortalecimento das Redes de Atenção para Resposta Rápida à Sífilis.

O processo de que trata o presente Edital visa a seleção de pesquisadores com graduação em comunicação social ou design e especialização ou mestrado na área de comunicação. Os candidatos aprovados no processo seletivo comporão uma lista de cadastro de reserva, sendo então convocados conforme a ordem do resultado final deste certame, a disponibilidade de eventuais vagas e a validade do certame.

Fonte: Ascom/LAIS.


   
   







Distanciamento social é baixo no RN, aponta estudo

02/06/2020 15:09


Em um momento crítico quanto aos números da contaminação pelo novo coronavírus no Rio Grande do Norte, estudo atualizado do projeto  Isola.ai revela que o distanciamento social, principal medida de contenção da pandemia recomendada pela Organização Mundial de Saúde (OMS), permanece baixo. No domingo, 31 de maio, o RN se posicionou entre os dez estados com menor isolamento ao atingir 49%.

Com base nos dados da startup In Loco, o Isola.ai vem monitorando o isolamento social desde o início da pandemia e tem verificado que os municípios onde houve maior contaminação pela covid-19 tendem a respeitar mais o isolamento. No último dia de maio, Natal e Parnamirim alcançaram 52%, enquanto Mossoró chegou a 50%, no entanto, tais números estão distantes dos 70% ideais.

O índice de distanciamento social na capital, porém, conta com importantes variações internas. Seguindo padrão observado em outras semanas, a Zona Sul de Natal tende a apresentar maiores valores de isolamento do que regiões como a Norte e a Oeste, o que pode ser um reflexo das desigualdades socioeconômicas que dificultam a adesão ao distanciamento social, aponta o estudo.

Outras cidades monitoradas apresentam índices ainda menores. Em Caicó, por exemplo, mesmo com o decreto de bloqueio total de serviços não essenciais, apenas 48% da população permaneceu em casa. Já os municípios de Santa Cruz, Currais Novos e Pau dos Ferros tiveram 43% de adesão às medidas de distanciamento.

Também são apresentados no estudo os municípios com maior isolamento por mesorregião potiguar. No Agreste, destacou-se Sítio Novo (53%); na Central, o município de Serra Negra do Norte (60%); Espírito Santo (53%), no Leste; e Encanto (53%) no Oeste Potiguar. Por outro lado, Lagoa Salgada (35%), Caiçara do Norte (23%), Pedro Velho (40%) e Taboleiro Grande (26%), nas mesmas regiões respectivamente, obtiveram os piores indicadores.

Isola.ai

Constituído por uma equipe de 13 pesquisadores da UFRN, da Universidade de Pernambuco (UPE), do Instituto Curie (França) e outras instituições do Brasil e do exterior, o projeto Isola.ai busca soluções interdisciplinares para a pandemia utilizando técnicas de Ciência dos Dados e Inteligência Artificial. As avaliações publicadas também podem ser conferidas no site do Observatório do Nordeste para Análise Sociodemográfica da Covid-19 (ONAS-Covid19).

Liderada pelo professor Ivanovitch Silva, do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica (PPGEEC), a iniciativa conta com os docentes Rafael Gomes (PPGEEC), Leonardo Bezerra, do Programa de Pós-Graduação em Tecnologia da Informação (PPGTI), e Luciana Lima, do Programa de Pós-Graduação em Demografia (PPGDem). Também integram o grupo os egressos da UFRN Marcel Ribeiro-Dantas (Instituto Curie) e Gisliany Alves (PPGEEC).

Colaboram ainda pesquisadores das seguintes instituições: Universidade de Pernambuco (UPE), Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Dublin City University, da Irlanda, e Fundação de Medicina Tropical Doutor Heitor Vieira Dourado (FMT-HVD), do Amazonas.

Fonte: Agecom/UFRN.


   
   







UFRN regulamenta oferta de atividades acadêmicas remotas

02/06/2020 15:06

Cícero Oliveira

O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (Consepe) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) aprovou nesta segunda-feira, 1° de junho, a regulamentação, em caráter excepcional, da oferta de atividades remotas da graduação, da pós-graduação e do ensino básico, técnico e tecnológico. O projeto piloto de estudo remoto ocorrerá de forma não obrigatória, ou seja, de maneira facultativa para estudantes e professores.

Diante do atual contexto da pandemia de Covid-19, visto que não há previsão de retomada das atividades acadêmicas presenciais, a instituição de ensino deu início ao planejamento de ações para curto, médio e longo prazo. Dessa forma, a decisão do Consepe pelo período suplementar com oferta de atividades remotas faz parte de uma iniciativa de curto prazo, que foi fruto de uma discussão descentralizada – realizada nos Centros e Unidades Acadêmicas Especializadas -, avaliando as especificidades de cada curso, além das necessidades e da realidade dos estudantes e docentes.

Para o reitor José Daniel Diniz Melo, devido à atual realidade dinâmica e pouco previsível, as instituições federais de ensino superior do país vêm discutindo como será o futuro das atividades universitárias. “Docentes, técnicos e estudantes da UFRN estão trabalhando intensamente no enfrentamento ao novo coronavírus. Além disso, os trabalhos administrativos tiveram que se adaptar rapidamente à nova realidade e seguem funcionando de forma remota. Na mesma perspectiva, o planejamento das atividades acadêmicas nunca foi deixado de lado e estamos constantemente ouvindo a comunidade universitária e analisando as alternativas possíveis para o contexto atual”, explicou.

A pró-reitora de Graduação e relatora da proposta do Período Letivo Suplementar Excepcional, Maria das Vitórias de Sá, explicou que a discussão sobre o tema na universidade surgiu com dois objetivos, que são  proporcionar aos estudantes a opção de cursar componentes curriculares e reduzir a quantidade de pessoas circulando no campus, quando for possível retomar as atividades presenciais, visto que há a possibilidade de restrição de aglomerações.

Nessa perspectiva, a oferta de componentes curriculares ou outras atividades acadêmicas remotas têm o intuito de oferecer “um ecossistema educacional que forneça acesso temporário e planejado a suportes de ensino e instrução, em resposta ao fechamento de escolas e universidades em tempos de crises e em formato de ensino distinto da Educação a Distância, que é uma modalidade de ensino planejada com proposta pedagógica, materiais, ambiente e formato próprios”, conforme a resolução. Fica instituído ainda, extraordinariamente, o Auxílio de Inclusão Digital a ser concedido a estudantes em situação de vulnerabilidade socioeconômica, visando subsidiar o acompanhamento de atividades acadêmicas em formato remoto. 

Pós-Graduação

No âZbito da pós-graduação, os programas, residências e cursos de especialização ficam autorizados a ministrar aulas remotas, mediante plano de atividades aprovado pelo Colegiado do Curso, em concordância com o diretor do Centro ou da Unidade Acadêmica Especializada e com a Comissão de Pós-Graduação da UFRN. De forma facultativa, o docente utilizará a Turma Virtual do sistema oficial da UFRN, além de outras plataformas virtuais para mediação das atividades. 

Graduação

Já na graduação, fica instituído o Período Letivo Suplementar Excepcional (2020.3), que consiste na oferta de componentes curriculares e outras atividades acadêmicas, em formato remoto e facultativo, para docentes e estudantes com status “ativo” ou “formando”. Os professores poderão utilizar a Turma Virtual do sistema oficial da universidade ou outras plataformas virtuais, já os discentes poderão cursar até 180 horas, em componentes curriculares do tipo disciplina, módulo ou bloco.

Para os cursos de graduação da educação a distância, fica preservada a utilização do ambiente virtual de aprendizagem Moodle Mandacaru Acadêmico, sem adesão ao formato remoto. Contudo, assim como para os cursos da modalidade presencial, o calendário 2020. 1 continua suspenso. Para participar das atividades remotas, as matrículas serão realizadas pelos alunos no Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas (SIGAA). 

Ensino básico, técnico e tecnológico

As unidades que desenvolvem Educação Básica, Técnica e Tecnológica da UFRN ficam autorizadas a ofertar, de forma remota e em caráter excepcional, componentes curriculares e outras atividades acadêmicas. A oferta deverá ser apresentada por meio de plano de atividades acadêmicas excepcionais e aprovado pelo colegiado do curso ou instância deliberativa correspondente.

Outras ações em planejamento

Para o médio prazo, as discussões sobre o período letivo 2020.1 continuam acontecendo e ainda haverá deliberação no Consepe. Dessa maneira, os alunos que não participarem do Período Letivo Suplementar Excepcional terão suas matrículas garantidas para quando for possível retornar as atividades presenciais.

Para longo prazo, a Reitoria formou uma comissão de especialistas para estudar e propor metodologias inovadoras. Essa ação faz parte do Plano de Gestão para o quadriênio de 2019 a 2023, que foi aprovado pelo Conselho Universitário (Consuni), em dezembro de 2019. As metodologias propostas pelo grupo serão ainda discutidas pela comunidade universitária.

A resolução 023 do Consepe sobre a regulamentação da oferta de atividades acadêmicas no formato remoto está disponível no Boletim de Serviços do dia 01/06/2020, que pode ser conferido no Sistema Integrado de Patrimônio, Administração e Contratos (SIPAC).

Fonte: Ascom/Reitoria.


   
   










Matéria Veiculada na TV Câmara sobre os 40 anos da FUNPEC





Destaque das Colunas


O apoio da FUNPEC para novos pesquisadores

13/03/2020 08:05 por André Maitelli





Redes Sociais